Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 18 de dezembro de 2010

ENTREVISTA

Professora: GILCIA MARIA SALOMON BEZERRA - PRÁTICA DE ENSINO - SUMARÉ IMIRIM
1 - O que a senhora acha de sua profissão?
- Acho um espetáculo. E a profissão que escolhi e me sinto muito recompensada.
2 - O que aconteceu de mais interessante na sua vida de professora?
- O fato de ter trabalhado com todos os níveis de ensino.
3 - Quando a senhora era pequena tirava notas boas?
- Nunca tirava notas boas eu era aluna mediana.
4 - A senhora acha que a prova é o único método para um aluno passar de ano?
- Não, deve existir trabalhos, pesquisa e a participação dos alunos.
5 - O que a senhora acha que deveria mudar hoje nas escolas para melhor atender aos alunos?
- Deve mudar a formação e postura dos professores e a cara da escola, porque hoje é muito triste.

Observação: escolhemos a Profesora Gilcia pois para nós é uma excelente professora e acreditamos que devemos seguir o seu exemplo como educadora com o domínio da classe e sua sabedoria para ensinarmos.
Parabéns Professora!!!!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

ARTIGO


BOLAS.....

Por seu formato e colorido, as bolas simbolizam o fruto da “árvore da vida”.

DICAS:.....

Além de ser possível encontrar uma enorme variedade de cores e formatos de bolas, você pode dar-lhes um toque pessoal usando a sua criatividade......Compre pinhas, ou encontre-as no chão em baixo de pinheiros e pinte-as de várias cores, com spray dourado ou prateado, ou cubra-as com spray de neve......Pinte bolas de isopor, usando os mesmos recursos que para as pinhas......Faça bolas de origami......Use laranjas cujo cabinho tenha sido mantido.

MEIAS NA CHAMINÉ.....

Conta a lenda, que três moças não podiam casar, porque na época era indispensável um dote, e elas não dispunham de um, para tal, São Nicolau, (o santo que inspirou o personagem de Papai Noel), comovido com a situação, resolve jogar três sacos de moedas pela chaminé da casa das moças. Os sacos caíram dentro das meias das moças, que estavam secando na lareira.

DICAS:.....

Corte pedaços de pano no formato de meia e costure os pares. Borde o nome de cada criança, e recheie as meias com balas e chocolate. Depois pregue-as ou cole-as na parte superior da lareira......Você pode pegar a própria meia da criança, e incrementá-la com laços, fitas, ou bordados que já vêm prontos para colar, (podem ter tema de natal, algo que se identifique com a criança, ou a inicial do nome).

PAPAI NOEL.....

Diz a lenda que em Myra (hoje Turquia), 300 ªC, morava Nicolas, o qual distribuía presentes na época do natal. Quando seu pai morreu, Nicolas tornou-se padre, e mais tarde bispo, quando passou a vestir roupas e chapéu vermelhos, (e barba branca). Quando morreu, a Igreja canonizou-o, e assim esta imagem transformou-se num símbolo das comemorações natalinas.

COMO É CHAMADO O PAPAI NOEL EM VÁRIOS PAÍSES:


Alemanha: Kiss Kringle (criança do Cristo)
Canadá: Santa Claus
Dinamarca: Juliman
Espanha: Papa Noel
Estados Unidos: Santa Claus
Finlândia: Joulupukki
França: Pére Noel
Holanda: Kerstman
Inglaterra: Father Christmas
Itália: Belfana ou Papa Natal
Japão: Jizo
Rússia: BaboushkaSuécia: Jultomten

DICAS:.....

Natal com crianças pede Papai Noel. A roupa pode ser alugada, ou comprada em grandes magazines ou em lojas especializadas. Os presentes das crianças devem estar dentro do saco do Papai Noel, identificadas com o nome de cada um, e ser entregues por ele mesmo.

PINHEIRO.....

Existem várias teorias para explicar porquê o pinheiro se tornou a árvore símbolo do natal, na maioria dos países onde este se comemora:.....Conta a história, que quando Jesus nasceu, perto do estábulo onde ele se abrigava, havia três árvores que resolveram também presenteá-lo. A palmeira escolheu a maior e mais bela palma, e fez dela um abano para o menino. A oliveira ofereceu o suave e perfumado óleo, para amaciar os pés do menino. E finalmente, o pinheiro, já tristemente conformado com a idéia de que não tinha nada a oferecer, pois suas folhas eram como agulhas, e poderiam machucar o menino, percebe que muitas estrelas tinham pousado em seus galhos, iluminando-o de tal forma, que o olhar de Jesus não podia resistir à beleza desta arvore, (por isso até hoje o pinheiro é enfeitado com muitas luzes)......Alguns autores atribuem a existência da árvore de Natal, anterior ao cristianismo......Na Saturnália (festival realizado no inverno em homenagem a Saturno, deus da agricultura), os romanos enfeitavam suas casas com pinheiros......Diz a lenda, que o pinheiro foi escolhido como símbolo do Natal, devido à sua forma triangular, onde se representa a Santíssima Trindade......A árvore de Natal, no contexto em que se insere hoje, tem sua primeira referência registrada em Strasbourg, Alemanha, no século XVI, quando todas as famílias, independente do seu poder aquisitivo, decoravam os pinheiros com papeis coloridos, frutas e doces. Após espalhar-se por toda a Europa, esta tradição chega ao continente americano em 1800......A rainha Elizabete, da Inglaterra, por ocasião do Natal em que oferecia uma grande festa, e recebia numerosos presentes, pediu que estes fossem depositados em baixo de um pinheiro que havia no jardim......O pinheiro é a única árvore que não perde as suas folhas, seja qual fôr a época do ano.


INTERESSANTE - SÍMBOLOS DE NATAL

ÁRVORE DE NATAL: na tradição cristã, simboliza vida, paz, esperança e alegria
PRESÉPIO DE NATAL: simboliza o momento e o ambiente em que Jesus Cristo nasceu
PAPAI NOEL: representa o bom velhinho que dá presentes para as crianças no dia de Natal
ESTRELA DE NATAL: guiou os três reis magos até o local de nascimento do menino Jesus
SINOS DE NATAL: representa o anúncio para a humanidade do nascimento de Jesus Cristo, o Salvador.
GUIRLANDA: usada como enfeite nas portas de entrada das residências na época do Natal.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

ARTIGO

  1. A fala popular na literatura
  2. O registro da fala popular na literatura tem sido largamente empregado como forma de atribuir expressividade e veracidade ao texto. Na década de 30, por exemplo, quando os escritores propunham uma literatura engajada e realista, o aproveitamento do nível coloquial, pela transcrição dos falares regionais, foi elemento fundamental para o sucesso do romance brasileiro:
    'Apeou na frente da venda do Nicolau, amarrou o alazão no tronco dum cinamomo, entrou arrastando as esporas, batendo na coxa direita com o rebenque, e foi logo gritando, assim com ar de velho conhecido: – Buenas e me espalho! Nos pequenos dou de prancha e nos grandes dou de talho! [...]O capitão tomou seu terceiro copo de cachaça. Juvenal, que o observava com olhos parados e inexpressivos, puxou dum pedaço de fumo em rama e duma pequena faca e ficou a fazer um cigarro. – Pois le garanto que estou gostando deste lugar – disse Rodrigo. – Quando entrei em Santa Fé, pensei cá comigo: Capitão, pode ser que vosmecê só passe aqui uma noite, mas também pode ser que passe o resto da vida...' (O Tempo e o Vento, de Érico Veríssimo)

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

ASSISTI E RECOMENDO


Lula, O Filho do Brasil"






A história de um homem comum, sua família e a extraordinária capacidade de superar dificuldades.
Com direção de Fábio Barreto (O Quatrilho), e baseado no livro homônimo de Denise Paraná, Lula, o Filho do Brasil traz para as telas o percurso de Luiz Inácio Lula da Silva, do seu nascimento, em 1945, até 1980, quando era um líder sindical consagrado. A data marca também a morte de uma pessoa extremamente influente em sua vida e em sua forma de pensar: Dona Lindu (Eurídice Ferreira de Mello), que criou oito filhos, sozinha, e tinha como lema "Nesta família ninguém vai ser ladrão ou prostituta". E cumpriu.
Filmado em dois estados (Pernambuco e São Paulo), sete cidades e 70 locações, entre 20 de janeiro e 18 de março de 2009, Lula, o Filho do Brasil percorre os principais pontos da trajetória humana de Lula, do árido sertão pernambucano, onde nasceu, à periferia de Santos, onde cresceu, e por fábricas e sindicatos do ABC paulista, onde viveu intensas transformações pessoais (como a perda da primeira mulher e do filho), e profissionais (como o emocionante discurso no estádio lotado da Vila Euclides, realizado sem sistema de som, quando 80 mil operários repetiram suas palavras para que todos pudessem ouvi-las).
No elenco de 130 atores destacam-se Rui Ricardo Diaz, que em sua estreia cinematográfica, interpreta Lula dos 18 aos 35 anos; Glória Pires como Dona Lindu, Cleo Pires (Lurdes, primeira mulher de Lula), Juliana Baroni (Marisa Letícia). Milhem Cortaz (Aristides, como o pai violento). As filmagens contaram ainda com 3.000 figurantes.
Lula, o Filho do Brasil tem fotografia de Gustavo Hadba, direção de arte de Clóvis Bueno, figurinos de Cristina Camargo, roteiro de Daniel Tendler, Denise Paraná e Fernando Bonassi, música de Antônio Pinto e Jaques Morelenbaum.
"Não fizemos um filme sobre um político ou o presidente da República, mas sobre um homem comum, sua família e a extraordinária capacidade de superar dificuldades," define o produtor Luiz Carlos Barreto, idealizador do projeto.
Produzido pela LC Barreto / Filmes do Equador, e Intervídeo Digital, produção Paula Barreto e produção executiva de Rômulo Marinho Jr, Lula, o Filho do Brasil foi realizado sem leis de incentivo municipal, estadual ou federal. Entre seus patrocinadores estão SENAI, Camargo Corrêa, GDF Suez, EBX, OAS, Ambev, Odebrecht, Volkswagen, Souza Cruz, Hyundai, Grupo JBS- Friboi, Estre Ambiental, Neo Energia, CPFL, Grendene e Oi.
Sinopse:
1945, sertão de Pernambuco. Menos de um mês depois da partida do marido Aristides para tentar a vida em São Paulo com uma moça bem mais nova, Dona Lindu dá a luz ao seu sétimo filho, Luiz Inácio da Silva, que logo ganha o apelido de "Lula". Sozinha, Dona Lindu, uma mulher simples e de rígidos valores morais, enfrenta as dificuldades sem se queixar.
Durante a seca de 1952, a pior da história do Nordeste, a família recebe uma carta de Aristides, chamando mulher e filhos para viverem a seu lado em São Paulo. Dona Lindu vende tudo o que tem e parte com os filhos, sem saber de que se tratava de uma carta falsa: cansado de apanhar do pai, Jaime forjara uma carta convocando a família. Na verdade, Aristides queria distância da primeira mulher e de seus sete filhos.
A viagem em pau-de-arara do sertão até Santos dura 13 dias e 13 noites. Durante o longo percurso, Lula testemunhou situações de grande miséria e crueldade, e também a integridade e compaixão da mãe.
Santos foi a primeira parada da família, onde Aristides vivia com outra mulher e sobrevivia como estivador. Dona Lindu e seus filhos viviam em condições precárias, agravadas pela crescente violência do pai que passou a beber cada vez mais. Dona Lindu insistia para que os meninos estudassem, enquanto o pai proibia esse 'luxo': "Filho de pobre tem que trabalhar e não estudar" dizia. O pequeno Lula ia à escola, vendia frutas na rua e confrontava o pai. Um dia Dona Lindu toma uma atitude audaciosa: abandona o marido e vai para São Paulo em busca de uma vida melhor para os filhos.
Em 1963, Lula oferece uma enorme felicidade à mãe: conclui o curso profissionalizante do SENAI. Como todo jovem de sua idade, vai ao cinema, bailes, e passa a namorar Lurdes, irmã de Lambari, seu melhor amigo.
Uma nova mudança leva os Silva para o ABC paulista. Lula passa a exercer a profissão de torneiro-mecânico da indústria automobilística. O casamento com Lurdes e uma casinha modesta pareciam selar um final feliz para o jovem migrante. A mãe envelhecia e via seus filhos cumprirem seu lema - nenhum deles saiu da trilha: Vavá, Ziza, e Lula tornaram-se operários qualificados, Zé Cuia motorista, Jaime continuou estivador. Marinete, Maria e Sebastiana casaram-se. A felicidade de Lula, no entanto, sofreu um golpe trágico: por falta de assistência médica, ele perde a mulher, grávida de nove meses, e o filho.
Sempre apoiado pela mãe, Lula demora a se recuperar. Volta-se cada vez mais para a militância sindical, que a princípio rejeitou. Em mais um lance do destino, um motorista de táxi lhe fala da nora, Marisa Letícia, uma jovem viúva, com um filho. Pouco depois, no Sindicato, conhece Marisa Letícia, que seria sua segunda mulher, com quem teria quatro filhos.
Na década de 70, o percurso de Lula passa por profundas transformações pessoais e profissionais. Como líder sindical ele emerge como uma força política renovadora. Dona Lindu estava certa quando batia na cabeça do menino e dizia: "Este aqui vai ser gente. Vai ter uma profissão".
"Lula, o Filho do Brasil" conta a saga da família Silva, uma saga igual a de tantas outras famílias Silva do Brasil.
Desenvolvido por Go2web

ARTIGO


A importância da família no desenvolvimento da criança








A criança

As crianças interagem a maior parte do tempo com os pais, porém, existem outras pessoas que desempenham um importante papel no desenvolvimento global da mesma, como: os professores, a família, os irmãos, os colegas, entre outros.
Para além disto, há que ter em conta as mudanças que ocorrem no contexto da vida da criança e que podem produzir fortes influências no seu desenvolvimento.
Por exemplo: as mudanças temporárias (como a visita de familiares, de amigos ou vizinhos a casa; a ida dos pais para o trabalho) as mudanças mais duradouras (como o nascimento de um bebé, a separação dos pais).

A família


A família desempenha um papel de extrema importância no desenvolvimento da criança, uma vez que é através desta que se constroem pessoas adultas com uma determinada auto-estima e onde estas aprendem a enfrentar desafios e a assumir responsabilidades.
Esta deve assegurar a sobrevivência dos filhos, o seu crescimento saudável e sua socialização dentro dos comportamentos básicos de comunicação.
Deve acarinhar e estimular as crianças no sentido de transformá-las em seres humanos com capacidade para se relacionar competentemente com o seu meio físico e social, assim como para responder às exigências necessárias à sua adaptação ao mundo.
As famílias de hoje carecem de tempo para conviver e para comunicar. Encontrar tempo para ouvir e para falar, significa deixar de lado muitas outras coisas que nos interessam muito, mas que não são tão importantes. Por vezes, a falta de assunto associada stress do dia a dia aumentam o distanciamento entre os membros da família

LI E RECOMENDO

O ALIENISTA


O Alienista ,escrito em terceira pessoa, Machado de Assis usa, inicialmente, a autoridade das crônicas antigas.'As crônicas da Vila de Itaguaí que em tempos remotos vivera ali um certo médico...'Em ritmo de 'era uma vez' dá-se o começo da narrativa. Três expressões assumem um papel de relevo neste primeiro contato nosso com o narrador: crônicas, tempos remotos e o vivera. As três reforçam a antigüidade da história, dando-lhe a mesma autoridade que o amarelado empresta aos livros. As crônicas trazem a respeitabilidade do que é aceito pela tradição como verdadeiro. Se elas dizem, não há que contestar. Os tempos remotos servem para distanciar esta narrativa do tempo presente, evitando qualquer deturpação por interesses imediatos. Finalmente, o verbo no pretérito mais-que-perfeito - vivera - reforça os já distanciados tempos remotos. Assim, uma expressão intensifica a outra, cabendo-nos perguntar por que o narrador se interessaria tanto em manter a história restrita a um tempo passado, e bastante passado. O enredo deste conto, além de discutir ironicamente as fronteiras entre a razão e a loucura, também coloca a questão do poder. Todos os que o exercem em Itaguaí, incluindo-se dentre eles o revoltoso barbeiro Porfírio, fizeram uma composição com Simão Bacamarte, o que sugere que tanto a razão quanto a loucura são usadas pelo poder, dependendo de seu interesse. Por isso nada foi feito de efetivo contra a Casa Verde, tendo disso os prisioneiros liberados pelo próprio alienista. Assim, podemos concluir esta primeira leitura possível com um pessimismo machadiano: 'O mal não parece estar no 'racional' ou no 'normal' mas no humano.O Realismo aproveita, também, nos seus romances, algumas características filosófico-científicas da época. Porém, condena os excessos do Naturalismo.

DICA CULTURAL

Exposição
Obra faz parte da coletiva Água na Oca
26 de novembro de 2010 a 8 de maio de 2011

Nos vídeos, as pessoas têm seus movimentos contidos pelo confinamento, por uma força contrária, uma situação sem saída. Nadam até a exaustão sem ir á lugar algum, nadam contra a corrente ou ficam presos e confinados como peixes em aquários.
Na vídeo-instalação “Buracos” cenas são projetadas no piso em forma circular simulando buracos reais, mostram nadadoras submersas, sempre abaixo do nível da água. Vinda do fundo ela se aproxima da superfície e sem encontrar a saída retorna ao fundo aparecendo em outro Buraco. Ela alterna posições como se estivesse procurando uma saída que não é encontrada. Confinada em uma situação sem saída a instalação mostra este movimento se repetindo ininterruptamente de forma alternada e sem fim.
Parque Ibirapuera - De 26 de novembro de 2010 a 8 de maio de 2011De terças a sextas: das 9h às 18h; Quintas: das 9h às 21h Sábados, domingos e feriados: das 10h às 20h. (Compra de ingressos até 1h antes do fechamento da mostra)Exposição fechada: Segundas Dias 24, 25 e 31 de dezembro de 2010, e em 1º de janeiro de 2011 ingressos: Inteira: R$ 20,00 Meia: R$ 10,00Entrada gratuita: Menores de 7 e maiores de 60 anos.
Diverte Cultural: 11 3883-9090



sábado, 11 de dezembro de 2010

Aniversariante do Mês

sábado, 11 de dezembro de 2010

PROJETO PROFISSÕES

Tema
Profissões

Justificativa
As profissões precisam ser valorizadas, pois delas dependem a economia.

Objetivos
Identificar profissões;
Relacionar profissões e seus devidos profissionais;
Valorizar os diversos tipos de profissões;
Conscientizar os alunos sobre a valorização e respeito em elação aos profissionais;
Desenvolver o raciocínio lógico, a expressão oral e corporal, a coordenação motora, a percepção auditiva e visual da criança;

Desenvolvimento
Capas para trabalhinhos
Labirinto
Música
Jogo da memória
Mensagem
Desenhos para colorir
Poesia
Liga Pontos
Móbiles
Caça letras
Comparação de figuras
Brincadeiras dirigidas
Marcadores de livros

Culminância
Realização de teatro com dramatização dos profissionais mais relacionados a realidade dos alunos


Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo

SITES INTERESSANTES

www.portacurtas.com.br

www.bibliofilmes.com


Sobre Educação:

www.espacoacademico.com.br

www.observatoriodainfancia.com.br

www.educarede.org.br

www.tvbrasil.org.br/saltoparaofuturo/

http://www.klickeducacao.com.br/

http://www.portaldafamilia.org/

http://www.ambiente.sp.gov.br/

http://www.cantinho.estrelar13.com/

http://www.mundinhodacrianca.blogspot.com/



Sobre Tolerância:

Museu do Holocausto
www.ushmm.org
www.yadvashem.org


Museus para um mundo mais tolerante
www.mots.org.il
www.coexistence.art.museum
www.rumoatolerancia.ffch.usp.br


Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo





A FOME


Vem criança, tu sofres — tua fronte
Gelei com meu bafejo… essa revolta
É jogral!…
A desgraça
De teu fúlgido horizonte
Eu apaguei os astros!…
O vício
Vem!…
O crime
Vem!…
A consciência
Volta!…
A fome
Olha além… quanta luz!… oh!… que harmonia
Das harpas de ouro e de marfim se eleva…
Ah!… compara isto à tua alcova fria!…
A donzela
Sim!… quanta luz…
A razão
Aquela luz é treva!…
A fome
Oh!… vem depressa, o frio te congela!…
O frio
Ó fome, irmã… os meus cinéreos véus
Ressumam dor — do lamaçal à estrela
Porejam fel — da podridão aos céus!…
Caminha, irmã… além… — o Vício em meio
Da luz — disseca uma consciência morta!
— Eu tenho de gelar ainda um seio… —
A fome
Do Vício eu vou somente até a porta!…
O túmulo
Criança — estaca — aquela luz é bela
Mas tecem noutes os lampejos seus…
Vem a meu seio — oh! ele é negro e gela
Mas o seu fundo é uma aurora — Deus!…
A cruz
Não vai… te ampararei — tua dor é imensa!…
Pois bem semeia nos meus pés teu pranto
E nascerá a calma, a fé e a Crença!…
A estrela
Se és nua faz com meus raios um manto!
A fome
Vem! não ouvis estômago o atroz grito
O estômago
Oh!… Sim, sim sofro muito!…
A carne
— E eu, irmão!…
O túmulo
Vem!…
A carne
Bah!… túmulo!… ou cala-te ou vomito!…
A consciência
Volta!…
A fome
… segue!…
O vício
vem vem!…
A consciência
… não!…
A fome
sim!…
O desespero
sim! não!
O vício
Ei-la que chega — oh!… dar-te-ei brilhantes
A orgia
De meu olhar te dou a áurea centelha!…
O vício — contin.
Dar-te-ei! Ouro!… gemas coruscantes!…
A honra
Foge!… eu dou-te a minha capa velha!…



http://www.literaturaemfoco.com/?p=3516 Acessado em 08/12/2010


Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margarth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo

DICAS CULTURAIS

QUEM TEM MEDO DE CURUPIRA?

Teatro-dança. De: Zeca Baleiro. Dir. Débora Dubois. Primeiro texto teatral do cantor maranhense Zeca Baleiro, o espetáculo, em formato de musical popular ao modo das velhas revistas e chanchadas, envolve personagens da fábula brasileira pouco explorados na dramaturgia. Com Daniel Infantini, Danilo Grangheia, Flávio Rodrigues, José Renato Mangaio, Lavínia Lorenzon e Thais Pimpão. 90 min. Teatro SESI Av. Paulista. Av. Paulista, 1313 – Metrô Trianon-Masp - Tel: 3146-7703. Sáb e dom, 16h. Gratuito. Até 12/12. 10 anos.














HELL

Drama. Adapt: Hector Babenco e Marco Antonio Braz. Dir. Hector Babenco. Hell, pseudônimo da narradora, é uma garota rica, fútil e arrogante. Nilista despreza a natureza e o único credo é que seja bela e consumista. A ação da peça concentra na trágica história de amor vivida pela protagonista e Andrea - um jovem tão rico e tão imerso no desespero quanto ela. Com Barbara Paz e Ricardo Tozzi. 75 min. Teatro SESI Av. Paulista. Av. Paulista, 1313 – Metrô Trianon-Masp - Tel: 3146-7703. Qui e sex, 20h, Gratuito. Sáb e dom, 20h, R$10. Até 19/12. 16 anos.

]











Poderão também usufruir do CINEMA Belas Artes, EXPOSIÇÕES como a de Antiguidades aos Domingos na feirinha, ALIMENTAÇÃO em restaurantes diversificados: árabes, japonesas, ítalo-brasileiras, hambúrgueres e até churrascarias. SHOPPING, LIVRARIA no Conjunto Nacional – Livraria Cultura, ARTES no MASP, sem contar com a decoração natalina.

Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo

Homenagem aos aniversariantes

Acesse o link:

http://www.youtube.com/watch?v=4L1iREJcn4s&feature=related





Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo

ANIVERSARIANTES










Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo


sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Artigo

Adoniran Barbosa musicou São Paulo
‘Saudosa Maloca’ reflete a cidade dos migrantes. ‘Trem das Onze’ retrata a desolação de um tipo assoberbado que mal tinha tempo para a namorada.
por Roberto Pompeu de Toledo 27/10/2010

Ninguém sabia onde ficava o Jaçanã e nunca houve um trem das 11 para aquelas bandas, mas, desde que Adoniran Barbosa compôs, em 1964, sua famosa canção, o Jaçanã virou um bairro paulistano nacionalmente conhecido, e o trem das 11 a mais célebre condução que ou se toma ou só se consegue voltar para casa na manhã seguinte. A primeira coisa engraçada sobre João Rubinato (1912-1982), filho de imigrantes do Vêneto nascido em Valinhos, é por que alguém que se chama João Rubinato vai querer adotar o nome artístico de Adoniran Barbosa. A segunda é o nonsense que embala canções como ‘Aqui Geralda’ (ou Gerarda), que começa por lamentar que “Geralda saiu de casa, onde será que Geralda foi parar?” e termina por proclamar:

“Você gosta de salsicha com mostarda Aqui, Geralda, aqui, Geralda”.


Adoniran Barbosa é do tempo do rádio. Estreou como cantor, em programas de calouros, e evoluiu como ator, em programas humorísticos. Mas foi como compositor que cantou, descreveu e interpretou São Paulo como nenhum compositor popular. Seus motivos são as ruas, praças e bairros, e seus personagens os tipos da cidade. Sobretudo, Adoniran captou nas ruas um “paulistanês” que nenhum habitante da cidade deixará de reconhecer como característico:


“O Arnesto nos convidou
Prum samba, ele mora no Brás,
Nós fumo, não encontremo ninguém.
Nós voltemo cuma baita duma reiva,
Da outra vez, nóis num vai mais”.


A língua que Adoniran caricaturou nas canções mistura o caipira com o italianado, duas vertentes centrais da expressão popular na cidade. A São Paulo que conheceu era um caldeirão de influências que se refletia na língua do povo. Ele próprio nascido no interior, e só aos 22 anos estabelecido na capital, talvez por isso tivesse desenvolvido um ouvido especial para captar o som das ruas. O mesmo puro paulistanês do 'Samba do Arnesto' ele usa para contar a história contida em ‘Um Samba no Bexiga’:

“Domingo nós fumo num samba no Bexiga,
Na Rua Major, na casa do Nicola.
A mesa não deu conta, saiu uma baita duma briga.
Era só pizza que avuava junto com as brachola”.


A história termina com a chegada da polícia e das ambulâncias, e o sargento Oliveira ordenando: “Carma, pessoal, a situação aqui está muito cínica, os mais pior vai pras Clínica”. Adoniran canta o que lhe parece bonito na cidade (“Venha ver, Eugênia, como ficou bonito o Viaduto Santa Efigênia”) e registra suas transformações:

“Praça da Sé, Praça da Sé. Hoje você é Madame Estação da Sé”.


Nesta e em outras composições ele lamenta as perdas trazidas pelo progresso. Transformou num clássico a história do palacete abandonado onde moravam o narrador, Mato Grosso e o Joca, até o dia em que “veio os home com as ferramenta” porque o “dono mandô derrubá”. Só lhes restou cantar:

“Saudosa maloca, maloca querida,
Que dim donde nóis passemo dias feliz da nossa vida”.


‘Saudosa Maloca’ reflete a cidade dos migrantes, juntados em precárias moradias. ‘Trem das Onze’ retrata a desolação de um tipo assoberbado que, entre o trabalho e a necessidade de voltar para casa, mal tinha tempo para a namorada. Tipos assoberbados existiam muitos, no tempo de Adoniran, e continuam existindo, numa cidade com fama de ser a mais devota das filiadas à religião do trabalho. O da música, para piorar, era filho único e a mãe não dormia enquanto não chegasse. De certa forma, Adoniran também foi um filho único, no sentido de que inventou um samba paulistano como ninguém antes nem depois.

http://vejasp.abril.com.br/revista/edicao-2188/veja-sao-paulo-25-anos-adoniran-barbosa - Acessado em 08/12/2010

Análise do grupo sobre os níveis de linguagem no artigo:
- Os níveis de linguagem estão relacionados com uso da fala e da escrita, onde a comunicação é concluída na sua concordância e entendimento.
Há vários tipos de linguagem: a escrita, que segue a norma gramatical e a falada que é mais desprendida de regras sendo suscetível a transformações.
Os níveis de linguagem estão presentes na sociedade de formas variadas podendo ser culta ou popular, e neste artigo encontramos esta variação, decorrente de texto jornalístico e das citações de letras de música do compositor Adoniran Barbosa, que apresenta uma linguagem popular.

Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Margareth, Sandra Reis e Tania Camargo

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

ASSISTI E RECOMENDO

Filme: Filhos do Paraíso
Título original: Bacheha-Ye aseman
Lançamento: 1997 – Irã
Direção: Majid Majidj
Atores: Mohammad Amir Naji, Amir Farrokh Hashemian,
Bahare Seddigi, Nafise Jafar –Mohammadj
Duração: 88 min
Gênero: Drama

Sinopse

Duas crianças são os protagonistas do filme, provenientes de família humilde, Ali (Amir Farrokh Hashemian) um menino de 9 anos, vive com seus pais e sua irmã caçula Zahra (Bahare Seddigi).
Um dia, ele perde o único par de sapatos da irmã, na tentativa de evitar a bronca dos pais e de levar mais problemas para à família, dividem um segredo e um único par de sapatos.
Ali, demonstra determinação e autonomia buscando soluções para às dificuldades que lhe são apresentadas. Uma das cenas emocionantes do filme é a sua participação no campeonato de corrida, onde ele pretende obter uma boa colocação na intenção de ganhar o prêmio.
De forma simples, o filme retrata a amizade e fidelidade entre irmãos, mesmo em momentos difíceis.
É um excelente filme para ser trabalhado em sala de aula, pois transmite valores morais de grande importância, como o respeito ao próximo e a pratica do companheirismo.
No filme podemos ver também a realidade social do Irã, as diferenças das classes sociais, a pobreza e a riqueza, crianças que brincam e trabalham par ajudar à família.
De maneira simples e com um toque romântico o diretor Majid transmite a mensagem que pequenos gestos podem conquistar a amizade e a confiança entre as crianças.

Grupo: Ana Luiza, Gessica Pereira, Luana, Sandra Reis e Tania Camargo

LI E RECOMENDO




Pais Brilhantes, Professores Fascinantes
Augusto Cury


"Se você conseguir fazer seus filhos sonharem, terá um tesouro que muitos reis procuraram e não conquistaram”.

No livro PAIS BRILHANTES - PROFESSORES FASCINANTES o psiquiatra e cientista Augusto Cury mostra que é preciso cultivar a emoção e expandir a inteligência dos jovens. E, para isso, os pais e professores precisam de ferramentas para estimular as crianças e os adolescentes.

Ele mostra que para fazer a diferença temos de adquirir os sete hábitos dos pais brilhantes e dos professores fascinantes. Além disso, ele chama a atenção para os sete pecados capitais dos educadores e ensina dez técnicas pedagógicas que podem revolucionar tanto a sala de aula quanto a de casa.

Formar crianças e adolescentes sociáveis, felizes, livres e empreendedores é um belo desafio nos dias de hoje. A solidão nunca foi tão intensa: os pais escondem seus sentimentos dos filhos, os filhos escondem suas lágrimas dos pais, os professores se ocultam atrás do giz.

A quem interessa este livro? Aos pais, aos professores da pré-escola, do ensino fundamental, médio e universitário, aos psicólogos, aos profissionais de recursos humanos, aos jovens e a todos os que desejam conhecer alguns segredos da personalidade e enriquecer suas relações sociais.

Pais Brilhantes, Professores Fascinantes é um ótimo exemplo do talento de Augusto Cury: um livro cheio de valiosas contribuições para a auto-estima e desenvolvimento das pessoas".

Eu li, eu recomendo!


Grupo: Ana Luiza, Gessica da Silva, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo

ENTREVISTA

Entrevista com Professor Vital Mancini Filho
Professor de Filosofia da Educação

1) Fale um pouco de você, onde nasceu, onde trabalha, sobre a sua formação...
Nasci em São Paulo, no bairro do Ipiranga. Atualmente trabalho como assessor pedagógico em uma escola chamada Colégio São Francisco Xavier e aqui na Faculdade Sumaré. Primeiramente me formei em sociologia na Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Depois fiz licenciatura em história e mais tarde em pedagogia. Sou pós-graduado na área de pedagogia pela PUC- RIO.

2) Como e quando iniciou sua carreira de educador?
Minha primeira experiência como educador, foi como alfabetizador do MOBRAL, devo à esta experiência a minha opção pela educação, pois percebi a dimensão política e humana de ser educador.

3) Quais as dificuldades encontradas no inicio da carreira? E, as atuais?
O início sempre é muito difícil, na realidade o educador vai se construindo, validando ou não suas práticas, claro que sempre iluminado por uma concepção de educação e de mundo. Neste sentido, ser educador é sempre muito desafiador, mas acredito que hoje estamos caminhando para um momento mais interessante para nossa profissão, às perspectivas são melhores.

4) Quais as matérias que seleciona atualmente?
Atualmente leciono Sociologia e Filosofia da educação.

5) Qual a metodologia que você mais se identifica para a prática em sala de aula?
Aprecio muito a aula dialógica caracterizada pelo debate de idéias, onde a reflexão e a argumentação são os principais elementos.

6) Qual a sua opinião sobre as mudanças significativas na educação brasileira nos últimos anos?
Ainda precisamos de reformas mais profundas. Ainda estamos limitados por uma concepção de escola extremamente universalista e acadêmica, onde todos têm que aprender os mesmos conteúdos, num mesmo intervalo de tempo e no mesmo lugar. É necessário desconstruir este conceito de escola para a implementação de um currículo humanista, cujo foco seja a formação integral do aluno e o desenvolvimento de suas potencialidades e tipos de inteligência, ou seja, cuja finalidade seja a construção da autonomia moral e cognitiva.

7) O que acha que seria possível modificar para que haja uma melhor qualidade no ensino?
Pergunta complexa, quanto tempo me dá para que eu a responda? Mas vamos lá. Penso que teríamos que mudar a concepção de currículo, onde a formação da pessoa fosse a principal finalidade, esta seria feita por meio do desenvolvimento de suas potencialidades. Para tanto, a relação ensino e aprendizagem teria que ser reconstruída a luz deste conceito, assim teríamos que promover mudanças profundas.

8) Quais os caminhos possíveis para o educador manter sua qualidade de vida exercendo a profissão?
Melhorar as condições de trabalho, Cristovam Buarque, senador da república, defende a idéia de que o professor, seja ele de qualquer esfera pública, torne-se um funcionário federal, acho uma boa idéia, teríamos um plano de carreira que melhoraria as perspectivas dos educadores. Essa lei já tramita a anos no congresso e nunca foi votada.

9) O que acha considerável indicar para os futuros docentes que estão ainda iniciando sua formação?
Que nunca esqueçam a dimensão humana de nossa profissão, professor que não entende com profundidade o que é trabalhar na educação jamais se torna educador, fica limitado inevitavelmente à função de professor.

10) Quais as suas projeções para o futuro de sua profissão tanto para você em particular como para os educadores na ativa?
Continuar minha caminhada, estando sempre aberto para continuar aprendendo e nunca perder o foco, que é lutar pela implementação de uma escola de currículo humanista.

11) Relate alguns casos que lhe proporcionou durante sua carreira:
a) indignação
Genericamente toda vez que me deparo com a exclusão de alunos ocasionada por “currículos intolerantes”.

b) medo
De não ser justo e inconscientemente contribuir para a exclusão.

c) fato que ao lembrar lhe faz rir até hoje
Um fato engraçado que sempre lembro , foi o meu primeiro de dia de aula aqui na Faculdade Sumaré. Entrei na sala, me apresentei e comecei a apresentação do curso. Passaram-se uns vinte minutos vem uma professora e me chama discretamente até a porta e bem baixinho me diz: - professor, essa turma é minha! Acreditem, estava na sala errada, duro foi explicar para os alunos.

12) Para finalizar, qual o sua maior satisfação como educador, o que lhe proporciona orgulho e o faz afirmar que começaria tudo outra vez.
Como atribuo grande importância à escola, seja ela de que nível for, me orgulho por lutar pela implementação de uma escola de currículo humanista.
Grupo: Ana Luiza, Gessica da Silva, Luana, Margareth Martins, Sandra Reis e Tania Camargo

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

''DICAS CULTURAIS''

TURISMETRÔ DE NATAL

A decoração de Natal já toma conta das ruas, avenidas, parques e monumentos de toda a cidade. E para apreciar toda a programção é possível pegar carona em um dos passeios turísticos-culturais do Roteiro Turístico de Natal .
Os roteiros acontecem de 04 a 23 de dezembro com saída a partir do Centro Cultural Sao Paulo, ás 18:30, de ônibus os visitantes descobrem a decoração da Av. Paulista e assistem a apresentação da fonte iluminada no Parque Ibirapuera. Os ingressos podem ser adquiridos nas Centrais de Informações Turisticas Olido / Av. São João,473 , Av. Paulista,1853. Valor R$10,00 Tel. (11)3331-7786 Mais infomações www.cidadesaopaulo.com/turismetro
VIRADA INCLUSIVA - Nos dia 03,04 e 09 de dezembro acontecerá a primeira Virada Inclusiva. O evento contará com uma série de eventos de cultura e lazer como show de rock com autodescrição e Libras, exposições, oficinas culturais, debates sobre direito de pessoas com deficiência. Os eventos acontecerão em diversos pontos da cidade a partir das 9h no Memorial da America Latina. No dia 04 o centro da cidade recebe a passeata do Movimento de Superção com saída às 12h da Praça da Republica e destino ao Vale do Anhangabaú onde acontecerá show com artistas como a banda NXZERO,Baby Consuelo e Luiz Melodia. O show terá área especial para o publico com deficeincia contando com recursos de audiodescrição e tradução smultanea para Lingua Brasileiras de Sinais(Libras) por meio de telões. Entidades e mesmo pessoas fisicas podem solicitar transporte gratuito adaptado junto ao serviço Atende, da Prefeitura. Dias 03/12 das 08:30 às 17:30, 04/12 08:00 às 19:00 e 09/12 das 10:00 às 13:00h Custo: Grátis - Maiores informaçoes: www.prefeitura.sp.gov.br/pessoacomdeficiência

ESTAÇÃO CIÊNCIA - Localizada em antigos galpões da Lapa, a A ESTAÇÃO CIÊNCIA-USP é uma ótima opção para visitas à exposições educativas, a estação aborda vários temas científicos como astronomia, geologia, geografia, biologia, tecnoligia e humanidade. De modo intertivo a exposição atrai crianças e adultos, o visitante pode tocar em alguns equipamentos como o gerador de Van de Graaff, esfera que deixa ps cabelos dos visitantes arrepiados, com o Simulador de Terremotos os visitantes tem a sensação de estar vivemdo este fenômeno. As exposiçoes são divididas por areas especificas como a de biologia marinha , que exibe aquários martimos de agua doce.Para receber os visitantes, A Estação Ciencia tem uma equipe de monitores que auxiliam nos experimentos, fornecem informações e esclarecem duvidas.
Horário: Terça a sexta das 08 às 18h . Sáb. /dom e feriados 09 às 18h Preço: R$4,00.
Tel. (11)3871-6750 Maiores informaçoes: http://www.eciencia.usp.br/

VISITE A EXPOSIÇÃO
'' O EGITO SOB O OLHAR DE NAPOLEÃO"
Este é o foco da exposição O Egito sob o olhar de Napoleão, que reune 21 volumes da obra Description de LÉgypte, pertence ao acervo do Itaú Unibanco. Os livros contém estudos da arqueologia, topografia, religiõ e historia natural realizados por uma equipe de 167 especialistas de diversas áreas.
Data 7/11 a 19/12 - Terça a domingo das 10às 21h.
Local- Itaú Cultural. End. Av. Paulista,149 Paraiso. Valor- Grátis. Tel. (11)2168-1777 ou http://www.itaucultural.org.br/
HISTÓRIA DE GENTE E DE BICHOS
O Sesc Santana traz esse musical infantil que trata das relações entre pessoas e seus animais de estimção.Entre canções da apresentação estão o baião, a moda de viola, o rock e o erudito. A peça mescla dança e música para contar história dos amigos de Memélia, Cecélia e Bebeto e da relçao que eles tem com o mundo e seus bichinhos.
Data: 14 de novembro, 5 e 12 de dezembro.
Horário: Domingo, às 15:30
Tel. (11)2971-8700 http://www.sescsp.org.br/

Turma NMA-Adriana,Elaine,Elizabeth,Regiane e Roseli - Grupo 5.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Artigo

Saúde é Fundamental

Para um melhor desempenho de um profissional, seja qual for a área que atue, é fundamental cuidar da saúde. Para tanto devemos sempre estar atentos a pequenos cuidados que previnem contra possíveis contratempos.

É o que diz essa matéria da revista Direcional. Ela dá dicas importantes para o professor, especialmente, como manter uma postura correta a fim de garantir suas atividades satisfatoriamente.

Consideramos isso fundamental para o aprendizado em geral, pois o professor que se cuida garantirá a disposição necessária para a rotina que uma sala de aula exige.


ERGONOMIA/PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS

A fisioterapeuta Maria Luiza Biton Gutierrez, diretora do Instituto de Fisioterapia Analítica, com especialização em fisioterapia analítica, RPG, (ginástica que age sobre as patologias crônicas da coluna), apresenta algumas dicas a professores e funcionários quanto a melhor postura a ser adotada durante o seu trabalho. “Quando usamos nossas articulações nas atividades profissionais, devemos respeitar suas ‘programações’, as quais chamamos de ‘postura correta’. Sendo assim, muito mais do que uma atitude elegante, a postura correta refere-se à condição ótima de posicionamento do corpo humano, que vai garantir que as atividades das articulações e músculos possam acontecer , sem destruir nossas células. É assim que a gente pode prevenir as artroses, tendinites, hérnias de disco, bursites etc., que nada mais são do que consequência do uso errado do nosso corpo. Na área da educação, constatamos que as posturas prolongadas dos professores em posição de pé, com os braços elevados ao escrever na lousa, extensão prolongada da cabeça para olhar para cima, posição sentada por tempo prolongado com flexão da cabeça (para corrigir provas, por exemplo), são geralmente fatores desencadeantes de dores.”

Cuidados básicos, segundo Maria Luiza Biton Gutierrez:

1 - Procure alternar atividades na posição de pé com atividades na posição sentada. Quando permanecer em pé, procure encaixar o quadril, evitando projetá-lo para trás (evite "arrebitar").

O que evita? Dores lombares, ciáticas, formigamentos e sensação de peso nas pernas.

2 - Ao escrever na lousa procure respeitar os limites da sua altura e do alcance do seu braço. O ideal é não escrever muito acima do nível da cabeça, permanecendo com ligeira flexão dos cotovelos para escrever. Não encolha os ombros, mantenha-os relaxados quando estiver escrevendo no alto.

O que evita? Tendinites e bursites dos ombros, dores na nuca, de cabeça e formigamentos nos braços.

3 - Não estenda muito a cabeça para olhar para cima, na lousa.

O que evita? Dores na nuca e de cabeça e iso streching

4 - Quando permanecer em posição sentada mantenha toda a coluna encostada no espaldar da cadeira. Não avance o tronco para frente e evite cruzar as pernas. Os pés devem sempre estar apoiados no chão, ou com um suporte (quando a pessoa não conseguir alcançar o solo).

O que evita? Dores ciáticas, protusões e hérnias de disco lombares, formigamento e sensação de peso nas pernas.

5 - Não fique muito tempo com a cabeça em flexão para ler ou corrigir provas.

O que evita? Dores de cabeça, protusões e hérnias discais da coluna cervical, artroses.

6 - Utilize um suporte para livros (tipo porta-Bíblia) para manter seu material de leitura o mais próximo possível do nível dos seus olhos, evitando olhar para baixo e rodar a cabeça.

O que evita? Mesmas indicações anteriores.

7 - Os cuidados com o uso dos computadores são os mesmos já descritos (posição sentada corretamente, apoio nos pés, evitar abaixar a cabeça, não avançar o tronco para frente etc.).

8 - Abaixar-se corretamente, dobrando os joelhos, quando for pegar algum objeto no solo.

O que evita? Dores lombares e ciáticas.

9 - Não carregar malas pesadas ou muitos livros de uma só vez.

O que evita? Escolioses, dores lombares, nos ombros e tensão cervical.

10 - Procure sempre estar atento a sua respiração. Relaxe. Inspire e expire na mesma frequência. Não bloqueie o ritmo respiratório durante o trabalho. Isso ajuda a não tensionar os músculos do pescoço e ombros.

Postado por Adriana, Elaine, Elizabeth, Regiane e Roseli

Li e Recomendo

Os direitos da criança num olhar muito humano, do jeitinho que a criança merece...

Os Direitos das Crianças Segundo Ruth Rocha
Esta é uma declaração dos direitos da criança em forma de poema! Ruth Rocha conta o que não pode faltar na vida de quem ainda não virou gente grande. Um apêndice apresenta momentos decisivos da história da conquista dos direitos infantis, como a criação do Unicef e a promulgação no Brasil do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Ruth Rocha é escritora, começou a escrever em 1967, para a revista Claudia, artigos sobre educação. Participou da criação da revista Recreio, da Editora Abril, onde teve suas primeiras histórias publicadas a partir de 1969. “Romeu e Julieta”, “Meu Amigo Ventinho”, “Catapimba e Sua Turma”, “O Dono da Bola”, “Teresinha e Gabriela” estão entre seus primeiros textos de ficção. Ainda na Abril, foi editora, redatora e diretora da Divisão de Infanto-Juvenis.
Publicou seu primeiro livro, “Palavras Muitas Palavras”, em 1976, e desde então já teve mais de 130 títulos publicados, entre livros de ficção, didáticos, paradidáticos e um dicionário. As histórias de Ruth Rocha estão espalhadas pelo mundo, traduzidas em mais de 25 idiomas.

Boa Companhia - Crônicas
E já que estamos falando de Crônicas...
Essa obra é realmente uma ótima companhia, uma coletânea de crônicas, uma história mais interessante que a outra, contadas de um jeito tão gostoso como se o narrador estivesse bem pertinho contando a história só pra você. Não dá para parar de ler.
No terceiro lançamento da série Boa Companhia, 42 cronistas formam um painel da crônica no Brasil, falando de futebol, de um bicho de estimação ou de uma cena de infância, de palavras e gestos, de política, de uma conversa de bar, de amor, da paisagem na janela ou até mesmo de uma canja de galinha tomada num hospital.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Aniversariantes do Mês

PARABÉNS


Desejamos à todas as aniversariantes do
mês de dezembro muitas Felicidades!!!



É o que deseja o grupo 5
(Adriana, Elaine, Elizabeth, Regiane e Roseli)





Dezembro



01 · Dia Internacional da Luta contra a AIDS
01 · Dia do Imigrante
01 · Dia do Numismata
02 · Dia Nacional do Samba
02 · Dia da Astronomia
02 · Dia Pan-americano da Saúde
02 · Dia Nacional das Relações Públicas
03. Dia Internacional do Portador de Deficiência
04 · Dia da Propaganda
04 · Dia do Pedicuro
04 . Dia do Orientador Educacional
08 · Dia Mundial da Imaculada Conceição
08 · Dia da Família
08 · Dia da Justiça
09 · Dia da Criança Especial
09 · Dia do Fonoaudiólogo
09 · Dia do Alcoólico Recuperado
10 · Declaração Universal Direitos Humanos



10 · Dia Internacional dos Povos Indígenas
10 · Dia Universal do Palhaço
11 · Dia do Arquiteto
11 · Dia do Engenheiro
13 · Dia do Cego
13 · Dia do Marinheiro
13 · Dia do Ótico
13 . Dia de Santa Luzia
13 . Dia do Engenheiro Avaliador e Perito de Engenharia
14 . Dia Nacional do Ministério Público
16 · Dia do Reservista
18 . Dia do Museólogo
20 · Dia do Mecânico
21 · Dia do Atleta
22 · Início do verão
23 · Dia do Vizinho
24 · Dia do Órfão
25 · Natal
26 · Dia da Lembrança
28 · Dia do Salva-vidas
31 · Dia de São Silvestre
31 · Reveillon




Entrevista




ENTREVISTA com:
Maria Carolina Ferron


Maria Carolina Ferron, é professora de PPI da
Faculdade Sumaré - Unidade Imirim
Cursos:
Educação Inclusiva - 3 - IPEN1A, Fundamentos Da Interdisciplinaridade - 7 - IPEN1A, Fundamentos Da Interdisciplinaridade - 7 - IPEN1A_EAD, Fundamentos Da Interdisciplinaridade - 7 - IPEN2A, Fundamentos Da Interdisciplinaridade - 7 - IPEN2A_EAD, Projeto Profissional Interdisciplinar II - 2 - IPENMA, Educação Inclusiva - 3 - IPENMA, Tutoria De Educação Inclusiva - TUT_EI_A, Tutoria De Educação Inclusiva - TUT_EI_C


1. Sempre quis essa profissão ou foi algo que surgiu de repente?

Iniciei como auxiliar de classe aos 15 anos. Amava o que fazia, porém, a remuneração era muito baixa. Chegou a época de vestibular, a única certeza que tinha, era a de que eu queria ganhar dinheiro...rsrs...
Iniciei a graduação de Engenharia, mas tranquei. No ano seguinte fui fazer comunicação social com ênfase em publicidade e propaganda. Formei-me. Depois de formada percebi que faltava algo, pensei na época de auxiliar, e percebi que realmente só era feliz quando estava com as crianças. Foi aí, 1 ano e meio depois de formada que fui fazer Pedagogia.

2. Quais os desafios que enfrentou pra chegar até aqui?
Desde que iniciei o curso de Pedagogia, eu tive bastante sorte. Já iniciei como professora, em escola pequena de educação infantil, mas com a minha própria sala, que é muito bom e estimulador para quem inicia. Desde então comecei a fazer diversos cursos na área, pois meu objetivo era colégios grandes. Já que estava nessa área, queria o melhor.
Mas com o passar dos anos, o melhor é relativo. Pois colégios grandes pagam muito bem, porém, tem algumas políticas muitas vezes contrária ao que você pensa. O maior desafio que tenho que enfrentar até hoje, é ficar quieta dentro da escola, devido sua política, pois muitas vezes quando questionamos as coisas, não somos bem vistas. E às vezes pagamos um preço por isso.

3. Qual a sua opinião a respeito da educação nos dias de hoje?
A educação privada virou um comércio e a pública um descaso.
Os grandes colégios visam apenas o Enem. E muitas vezes os pais fazem de tudo para colocar seus filhos nos colégios que estão em primeiro lugar no Enem, e muitas vezes esse não é o melhor colégio para seu filho. A mídia estragou demais a educação. Pois as pessoas pensam que só porque aquele colégio aparece na mídia ele é o melhor e não sabem como eles realmente funcionam. Falo isso, pois já trabalhei em colégios ranqueados em primeiro no Enem.

4. Quais as disciplinas que mais gosta de trabalhar?
Primeiramente AMO a alfabetização, pois ela é a base de toda a educação. Mas adoro as disciplinas que leciono como, Educação Inclusiva e Fundamentos da Interdisciplinaridade.

5. Como foi pra você lidar com os questionamentos na sua primeira avaliação da turma?
Os questionamentos devido às notas baixas foram diversos. Na verdade diversas reclamações. Muitos alunos não concordaram com a nota atribuída por mim. Mas desde a primeira aula presencial informei sobre cópias de trabalho, que isso eu não admitiria, que trabalhos nessa categoria teriam nota zero. Muitas pessoas devem ter achado que eu não conferiria os trabalhos, que eu não saberia se era cópia ou não enfim, cada um com seu motivo. Acabei não atribuindo a nota zero, acreditando que poderia dar mais uma chance para as pessoas tentarem ao menos fazer o trabalho.
Quando temos um grande número de alunos com nota baixa e um grande número de reclamação é difícil, pois muitas vezes pensamos que o erro está em nós professores, mas nesse caso o erro era a cópia de trabalho, e nesse caso, devemos permanecer com o que foi falado logo no início do curso e arquivarmos todos trabalhos enviados pelos alunos para não termos problemas futuros.

6. Em sua opinião, as quatro aulas presenciais de PPI, são suficientes ou você preferiria que tivesse mais aulas?
Seriam suficientes se os alunos fizessem as atividades propostas. Fossem tirando suas dúvidas no decorrer do processo. O que acontece com o PPI, é que muito alunos não fazem o que foi solicitado, aí quando chega a data final, não entendeu nada do que foi proposto e fica parecendo que só as quatro aulas presenciais foram poucas. Mas o empenho e dedicação do aluno são fundamentais.

7. Qual conselho daria para nós, futuras pedagogas?
Primeiramente que ESTUDEM, LEIAM. Ler é essencial. Mas ler artigos científicos, livros de autores renomados, não ler apenas o que é solicitado pelo professor. Quer dizer, devem ler no mínimo o que o professor solicita. Que questionem a educação. Mas só podemos questionar quando entendemos, sabemos o que estamos falando e para isso precisamos ESTUDAR. Que não desanimem diante as dificuldades, principalmente quando se depararem com empresas e não escolas.

8. Olhando para o lado político da educação, o que você acha que as autoridades poderiam fazer para melhorar o ensino no Brasil?
Eu acredito em uma mudança de sistema educacional. Enquanto tivermos essa educação arcaica de cadeiras enfileiradas, alunos tendo que ficar mudos, calados, pois atrapalha o andamento da sala e os colegas. A educação continuará como está. Tem que ser uma mudança revolucionária sim. Devemos nos espelhar na Escola da Ponte e ver o quanto aquele sistema funciona, principalmente para os alunos que temos hoje, com acesso a informação o tempo todo.
Como disse José Pacheco (Mestre em Ciências da Educação e ex diretor da Escola da Ponte) “...Onde houver séries de aulas assentes na crença de ser possível ensinar a todos como se de um só tratasse, não haverá inclusão.”
Finalizo dizendo que devemos lembrar que nem todos aprendem da mesma forma e maneira, e é isso que devemos mudar na forma de ensinar, lembrando que cada aluno é único e cada um deve aprender a sua maneira.

Grupo 5 - Adriana, Elaine, Elizabeth, Regiane Karolaine e Roseli